Manifesto da ANPEd e do FORPREd de repúdio à ação da Polícia Federal na UFMG

A Diretoria da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd) e a Coordenação Nacional do Fórum de Coordenadores de Programas de Pós-Graduação em Educação (FORPREd) vêm a público repudiar a ação arbitrária e abusiva da Polícia Federal contra a comunidade da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Nenhuma denúncia justifica condenação prévia e execração pública de qualquer servidor público. O desrespeito aos dirigentes universitários é o desrespeito ao conjunto da comunidade científica da UFMG e do Brasil. Reafirmamos o princípio constitucional da autonomia universitária, o compromisso com a qualidade da pesquisa, extensão e ensino que a UFMG desenvolve no sistema de ensino superior brasileiro e a necessidade de cumprimento das regras democráticas e republicanas para manter o permanente diálogo entre Universidade e sociedade  

Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2017.

Andréa Barbosa Gouveia

presidente da ANPEd

João Batista Carvalho Nunes

coordenador do FORPREd Nacional

Maria de Fátima Cardoso Gomes

vice-coordenadora do FORPREd Nacional

A ANPEd já havia se manifestado por meio de nota do Fórum Nacional Popular de Educação (FNPE) sobre o caso no dia 06 de dezembro.

NOTA DE REPÚDIO À OPERAÇÃO DA POLÍCIA FEDERAL NA UFMG

Um ataque à Universidade Pública e a tudo que ela representa

Na manhã desta quarta (06/12) a Polícia Federal promoveu mais uma ação midiática, desproporcional, arbitrária e de ostentação ao usar de prerrogativas legais para promover perseguições, agora, contra dirigentes e ex-dirigentes da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Mais uma vez dirigentes universitários são conduzidos coercitivamente, em procedimento que, de maneira geral e absolutamente preocupante, vem se tornando banal, ostensivo e ofensivo, atentando contra o amplo direito de defesa e a dignidade de pessoas. Tais dirigentes, por certo, estariam à disposição para prestar todos os esclarecimentos necessários, por serem pessoas públicas e com endereço conhecido. A medida reforça nosso repúdio à forma como pessoas vem sendo tratadas em nosso país por autoridades policiais e do judiciário, com achincalhamento público prévio.

A ação é mais uma medida que atenta contra a democracia, contra as conquistas sociais e contra a Universidade Pública e seu papel emancipatório e estratégico para a soberania e o desenvolvimento nacional, notadamente por voltar-se a projeto da Universidade Pública, que conta com inúmeras parcerias: o Memorial da Anistia Política do Brasil, que visa resgatar a memória e a verdade histórica subjacente à Ditadura Militar no país.

O trágico caso do Reitor Cancellier, e o pedido de investigação de abuso de autoridade, parece não constranger ações pirotécnicas, seletivas e desproporcionais que objetivam manchar reputações, atacar professores e professoras, pesquisadores e pesquisadoras, estudantes, servidores e servidoras e promover o desmonte da Educação Superior Pública, laica, gratuita, inclusiva e em defesa da Democracia.

A defesa da instituição é um compromisso ético de todos e todas e, por essa razão, manifestamos nossa indignação e reivindicamos o imediato esclarecimento da ação e a responsabilização pelas arbitrariedades e humilhações.

Fórum Nacional Popular de Educação 

Leia Também

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação