Nota de repúdio à Lei Nº 8.242/16 - "Escola sem Partido" - Campo Grande (MS)

Nota de repúdio à Lei Nº 8.242/16 

Para o prefeito Alcides Bernal e todos/as os/as vereadores/as da cidade de Campo Grande, MS.

Nós, professores/as pesquisadores/as, do Programa de Pós Graduação em Educação do Campus Pantanal, do Programa de Pós Graduação em Educação de Campo Grande e do Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), repudiamos a aprovação da Lei Nº 8.242/16, pelos motivos expressos abaixo:

A Lei Nº 8.242/16 é desnecessária. Já existem legislações e processos de denúncias que são conhecidos por pais, mães, alunos/as e comunidade escolar que buscam evitar e responsabilizar possíveis excessos do trabalho docente em sala de aula no que se refere ao ensino de temáticas em torno do gênero, da sexualidade, da religião e da política.

A Lei Nº 8.242/16 confronta e desrespeita outras legislações, como por exemplo: a Carta Magna do país (Constituição Federal), a Lei 8069/90 (Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA), a Lei Federal nº 12852/2013 (Estatuto da Juventude), a Lei nº 9.394/96 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação - LDB) e a Lei nº 13.005/14 (Plano Nacional de Educação). Está, inclusive, em contradição com os pressupostos já aprovados no Plano Municipal de Educação de Campo Grande (MS).

A Lei Nº 8.242/16 é anti-científica. Ela retira do conteúdo do currículo escolar temas relevantes decorrentes de estudos e pesquisas científicas, como se fossem falsas interpretações da realidade (nas palavras dos/as seus/suas defensores/as, “ideologia”).

A Lei Nº 8.242/16 desconsidera os acordos internacionais, assumidos pelo país, desde o início do século XX, que visam a garantia dos Direitos Humanos, para a diminuição das desigualdades entre homens e mulheres, tanto no campo científico-profissional, como no campo das relações interpessoais em diferentes espaços.

A Lei Nº 8.242/16 é injusta quando leva a escola a omitir experiências de violência religiosa que marcam a história do nosso país. Sabemos que se as questões religiosas, em seus aspectos filosóficos, sociológicos, antropológicos e históricos não puderem ser ensinadas e debatidas criticamente na escola, os/as alunos/as não terão acesso a uma formação que os/as possibilite reverter a compreensão preconceituosa e etnocêntrica dos “pseudos” valores religiosos que seguem mantendo desigualdades e injustiças sociais.

A Lei Nº 8.242/16 desprotege e contribui para a vulnerabilidade de crianças e adolescentes. Vários/as alunos/as, infelizmente, têm sido desrespeitados/as e agredidos/as em âmbito familiar diante de temas como gênero, sexualidade, religião, e têm buscado na escola informação e espaço de acolhida e proteção. Caso os/as professores/as, devidamente capacitados/as, não abordem essas temáticas, dificilmente construirão o vínculo necessário com os/as alunos/as para contribuir com o enfrentamento dessas violências, inclusive para acessar a rede de proteção das crianças e dos/as adolescentes.

 A Lei Nº 8.242/16 é anti-democrática. Ensinar sobre democracia e direitos sem que os/as alunos/as possam se motivar a valorizar a importância e, até mesmo, a participação em manifestações e passeatas, significa amordaçar/as os professores/as diante dos incontestáveis fatos históricos que mostram o valor das manifestações político-democráticas no Brasil, inclusive para que hoje os próprios direitos das crianças e dos/as adolescentes existissem.

Diante das justificativas, somos veementemente contrários/as a aprovação desta lei e pedimos que ela seja vetada.

Campo Grande, MS, 15 de abril de 2016.

Professores/as pesquisadore/as do Programa de Pós-Graduação em Educação do Campus Pantanal, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Professores/as pesquisadore/as do Programa de Pós-Graduação em Educação de Campo Grande, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Professores/as pesquisadore/as do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

 

Leia Também

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação