Quais as consequências da aquisição da Somos Educação pela Kroton? | por Theresa Adrião (Unicamp) e Romualdo Portela de Oliveira (USP)

por Theresa Adrião (Unicamp) e Romualdo Portela (USP)*

A aquisição do SOMOS Educação pela Kroton evidencia mais uma consequência da equivocada política de desregulamentação da oferta educacional por grupos privados efetivada pelo governo brasileiro que induz a presença de corporações associadas ao capital financeiro como fornecedores prioritários, tanto da oferta direta da educação, quanto na de insumos educacionais, descaracterizando a educação como direito do cidadão e dever do Estado e alimentando a criação de mercados educacionais diversos.

Nessa perspectiva, não é de somenos importância o lançamento, pela Secretaria de Educação do estado de São Paulo, de Campanha intitulada “Aliança Brasileira pela Educação”coordenada pelo Grupo Kroton.

Iniciando-se em 2006, empresas de educação superior abrem seu capital na Bolsa de Valores e passam a ser geridas, ao menos em parte, por fundos de investimento ou são adquiridas por corporações transnacionais. A partir de 2010, esse processo estende-se para a educação básica, com a entrada na bolsa de grupos como a Abril Educação, o COC e o Positivo, posteriormente, adquiridos por empresas estrangeiras como a inglesa Pearson ou a espanhola Prisa/Santillana.

As consequências para a educação básica podem ser negativas tanto para escolas privadas quanto para os sistemas públicos.

No primeiro caso, a presença de grupos, como o que resulta dessa fusão, tende a monopolizar a oferta educacional privada, ao “quebrar” escolas de menor prestígio ou incorporar escolas “bem sucedidas”, como recentemente ocorreu em São Paulo com a Escola da Vila. Caso a lógica não seja a incorporação física dos estabelecimentos de ensino, a generalização de modelos pedagógicos, na forma de Sistemas Privados de Ensino, tende a substituir projetos educativos por “cestas de insumos pedagógicos” customizadas em função do poder de compra dos clientes: escolas e famílias. Quem paga mais, recebe mais.

Diferentemente da ação de “filantropos de risco” (OCDE, 2014), atores privados como fundações e institutos, a presença direta de corporações associadas a fundos de investimentos na produção de insumos curriculares e na venda de “sistemas privados de ensino” para as redes públicas subordina a educação pública diretamente ao capital financeiro e explicita a lógica que o rege: lucro rápido, como evidencia a recente experiência sueca.

Esses grupos incidem sobre as redes públicas de duas maneiras: por meio da venda dos “sistemas privados de ensino”, principalmente para municípios, acarretando na desqualificação da própria gestão pública pela transferência de atribuições de formação, avaliação e supervisão para empresas privadas; na padronização dos currículos e na desqualificação da atividade docente, por meio da rotinização das aulas. O acesso desigual aos produtos oferecidos, decorrente do também desigual acesso aos fundos públicos, aprofunda desigualdades educativas já existentes.

Nossos estudos também identificaram que, já em 2015, a Abril Educação, juntamente com a Ática e a Saraiva, foram as editoras que mais receberam recursos do PNLD, o que significa que os fundos públicos foram transferidos para esses grupos tanto pelos governos subnacionais, quanto pelo governo federal.

Esse processo de privatização e de transformação da educação em mercadoria, afasta-nos, cada vez mais, da perspectiva da educação como um direito de todos e mecanismo de redução de desigualdades sociais, colocando na ordem do dia a necessidade de maior regulação do setor e contenção da ação deletéria dessas empresas.

*Theresa Adrião é professora livre docente da Faculdade de Educação da Unicamp e coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Política Educacional – GREPPE

Romualdo Portela de Oliveira é professor na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo

*artigo originalmente publicado na Carta Educação no dia 08 de maio de 2018.

Leia Também

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação