Abertura da 41ª Reunião Nacional contará com mesa sobre povos  indígenas e educação formada por pesquisadoras/es da Amazônia

A ANPEd fará uma abertura histórica em sua 41ª Reunião Nacional. Ao invés da tradicional conferência, será realizada mesa com a presença de pesquisadoras/es e intelectuais indígenas a partir do tema “Caminhos para Amar-zonizar o Brasil: povos indígenas e educação”. A sessão ocorrerá no dia 22 de outubro (domingo), a partir das 18h, no auditório Eulálio Chaves da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). 

A sessão contará com transmissão ao vivo pelo canal da ANPEd no Youtube.

Estarão presentes Alva Rosa Lana Vieira Tukano, doutora em Educação, professora da educação básica e coordenadora do FOREEIA (Fórum de Educação Escolar e Saúde Indígena), Ytanaje Cardoso Munduruku, doutor em Educação, professor da educação básica, liderança e escritor indigena e Samela Sateré-Mawé, liderança indigena e estudante de Biologia da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

A mediação da mesa será feita Célia Aparecida Bettiol, coordenadora do PPGE da UEA. Bettiol lembra que esta edição da Reunião Nacional ocorre no estado que abriga a maior população indígena do país – somente em Manaus são cerca de 71 mil habitantes indígenas. Segundo ela, algo a se destacar também é o tema da Década Internacional das Línguas Indígenas, que enaltece a perspectiva de “Nada para nós sem nós”. Nesse sentido, a abertura da Reunião Nacional vai ao encontro de uma construção coletiva e inclusiva. 

Para Célia Bettiol, a ANPEd acerta ao propor uma mesa potente em que os próprios pesquisadores indígenas falarão sobre educação e pesquisa na Amazônia. “É necessário descolonizar as nossas práticas e romper com tantos anos de silenciamento, de apagamento dos povos indígenas, das suas línguas, dos seus conhecimentos, das suas culturas. Inclusive muitas vezes dentro da própria academia. Isso é um ganho para a ANPEd e para educação como um todo”, celebra.

Pular para o conteúdo