Entrevista – Valeska de Oliveira, coordenadora do GT 08

Confira a entrevista especial do Boletim Anped com o coordenadora do GT 08 da Associação, a professora Valeska de Oliveira (UFSM), que analisa a atuação do GT Formação de Professores e sua articulação junto à Anped e à área da educação em âmbito nacional e internacional.

                                                                                      292382 361910500543746 1803497192 N

Como você avalia o trabalho de aprofundamento na discussão sobre Formação de Professores dentro do GT 08?

A perseverança pelo estatuto científico e epistemológico da pesquisa, finalidade e princípios focalizado no envolvimento de movimentos interiorizados no GT e ações realizadas contém implicações da pesquisa em Formação de Professores para o fomento do conhecimento rigoroso no campo. A constante comunicação beneficiando interações, intercâmbios, novas composições de parcerias, impulsionando a inserção de pesquisadores, provoca o pluralismo abrigando condições de vida social que permitem aos grupos e a cada um dos seus membros coexistirem na prática da pesquisa.

Destaca-se a permanente participação na defesa da melhoria do desenvolvimento e formação docente, da valorização profissional e das condições de trabalho. A mobilização em prol da formação se expressa nas contribuições em debates públicos para definição das políticas educacionais, notadamente às direcionadas ao professor, por meio de pesquisas, propostas, projetos, programas e avaliações. Essa participação articulada com associações de pesquisadores e instituições educacionais, se insere nos movimentos locais e nacionais, em fóruns, debates, eventos e publicações. Neste sentido, cada vez mais os membros do GT são impelidos a atuar de modo efetivo na produção crítica de análises rigorosas sobre processos e propostas direcionadas à formação e desenvolvimento profissional docente.

O Gt 08 Formação de Professores busca permanentemente desenvolver ações que visem o aprofundamento da promoção, análise e avaliação da pesquisa na área. Essas ações são realizadas nas reuniões nacionais, regionais, na promoção de simpósios sobre a pesquisa em formação de professores, na revista Formação docente.

Nas reuniões nacionais e regionais o processo envolve os membros do GT na análise dos trabalhos submetidos, nos debates durante as reuniões quando da apresentação de trabalhos e na sessão de avaliação do GT. Os mini cursos propostos e os trabalhados encomendados visam o aprofundamento de temas atuais do campo e contribuição com a formação dos pesquisadores.

A realização dos simpósios permite a análise com os grupos de pesquisa considerando o movimento em que realiza sobre a pesquisa na formação de professores visando a compreensão do campo e as tendências investigativas; (ii) favorecer a interação entre os grupos colaborando para a constituição de redes de pesquisa no campo; (iii) contribuir para o debate consubstanciado sobre a pesquisa em formação professores. O debate sobre pesquisa no campo da formação de professores é uma das preocupações centrais do GT. As reuniões de avaliação realizados pelo GT Formação de Professores realizados durante as Reuniões Anuais da ANPEd apontam a necessidade e importância da continuidade da realização dos Simpósios. Está em discussão o III Simpósio sobre Grupos de Pesquisa em Formação de Professores. O Simpósio sobre Grupos de Pesquisa em Formação de Professores foi criado com o objetivo de conhecermos, numa espécie de “estado da arte” presencial, os diferentes grupos que vêm trabalhando com as questões da formação. A realização nos permitiu perceber o avanço dos debates bem como o número de grupos em todos os estados do país e em diferentes instituições. Avaliamos ainda, que, muitos grupos pelos referenciais e temas que trabalham não focalizam a formação docente, sinalizando a necessidade de continuidade desses Simpósios.

Avaliamos ainda, que nossa participação em eventos internacionais, tem sido significativa, através do envio e apresentação de trabalhos, bem como, do acompanhamento do debate em outros países sobre a formação e as políticas no campo da docência, nos diferentes níveis de ensino.

A Revista Formação Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores periódico eletrônico do Grupo de Trabalho “Formação de Professores” (GT8) da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd), em coedição com a Autêntica Editora criada em 2008 constitui-se um canal de divulgação da produção na área específica, em diálogo interdisciplinar com as contribuições de pesquisas realizadas pelas áreas correlatas que tratam da mesma temática. Visa, em especial, fomentar e facilitar o intercâmbio nacional e internacional do seu tema objeto.

Podemos destacar também que o fato do GT receber trabalhos de programas de pós-graduação de todo o Brasil, faz com que o momento de apresentação na reunião se torne um espaço propício para ocorrer estreitamento de relações entre pesquisadores.

O fato de estabelecermos critérios mais claros para avaliação dos trabalhos e uma ementa para nortear a submissão também foi uma forma de melhorar a qualidade das apresentações e focar mais no tema do GT.

Como coordenadora do Grupo de Trabalho, quais questões você avalia que devem avançar nesse processo?

O fato da reunião não ser mais anual, pareceu-nos que causou um certo distanciamento entre associados e associação. Este é o ponto mais importante para analisarmos, pois, independente da periodicidade da reunião, a relação entre os membros do GT deve ser constantemente fomentada. Em nossa opinião, os desdobramentos da reunião, ao longo dos dois anos, é que vai enriquecer o debate sobre formação de professores e sustentar a existência do grupo e todos os seus avanços. Repensar o objetivo da página do GT como um fórum de discussão ou repositório de principais publicações. Talvez, tenhamos uma relação ainda menorizada no uso das páginas, e-mails coletivos, onde nosso contato, se realiza a distância. Falamos especialmente, de diferentes gerações que estão no âmbito do GT. Talvez, um desafio seja aprofundar nossos contatos durante o tempo de realização de uma reunião da ANPED nacional e a das ANPEDINHAS. Mas essa é uma nova realidade que temos pela frente.

Uma outra questão (que merece um debate entre nós) seria indicar que a organização em grupos consolidados tem dificultado discussões de resultados de pesquisas mais interdisciplinares entre nós. Mas esse é um tema que precisamos debater porque teríamos que pensar em como possibilitar isso.

Os Grupos de Trabalho têm papel central na estruturação das Reuniões Nacionais da ANPEd. Como funciona essa articulação e qual o balanço do último encontro, em Goiânia (2013)?

Após a reunião foi realizada a análise dos trabalhos e o que apurou: os trabalhos apresentados foram pertinentes ao campo da formação de professores, bem fundamentados com metodologia e análises pertinentes. As temáticas mantém a diversificação de temáticas no campo da formação e expressam resultados de pesquisas, muitos vinculados a grupos consolidados.

O trabalho encomendado trouxe ao grupo a possibilidade de discussões, na perspectiva das políticas de formação docente, que articuladas à sessão especial favoreceram o aprofundamento dos debates. As atuais políticas de acentuam os programas direcionados a privatização do processo de formação docente, não apenas no aspecto institucional, mas trazem implicações de natureza acadêmica, teórica e epistemológica, fragilizando o desenvolvimento profissional docente.

O mini curso ao retomar as discussões em torno da pesquisa em formação de professores contribuiu com o esforço do GT para a compressão e configuração do campo. A participação foi intensa com número para além das vagas disponibilizadas. Esta é uma situação constante no GT.
As apresentações de trabalho tem envolvido o grupo com indicação de debatedores, além da participação de coordenadores de sessão. Enfim, a participação dos membros do GT é significativa no debate e na organização do evento. Uma das mesas, organizadas na última reunião da ANPED pela própria Associação referiu-se as questões da ética na pesquisa em ciências humanas e nossa relação com os comitês e comissões de ética das instituições. Nosso GT já vinha fazendo esse debate e apontou a necessidade desse tema como uma preocupação para todos os pesquisadores.

Além das Reuniões Nacionais, como você vê a importância do Grupos de Trabalho, em especial do GT 08, para o amadurecimento de temas caros à educação brasileira? E qual a relação do GT Formação de Professores com encontros nacionais e internacionais?

Acreditamos que o GT tem um papel fundamental no desdobramento da reunião, pois é ele que deve e pode garantir uma relação mais estreita entre os pesquisadores que abraçam o tema formação de professores. O fato do associado compor um grupo de trabalho, o identifica em outros fóruns de discussão, como congressos nacionais e internacionais e isso vai agregando identidade ao próprio GT. Acho que poderíamos citar também publicações em parceria. Já aconteceu isso com membros do grupo. Temos tido a participação em vários eventos nacionais e internacionais de integrantes do GT, consolidando assim, um debate e posições sobre as questões da docência e da formação no nosso país e na nossa diversidade entre os estados. Também, destacamos a participação de muitos integrantes do GT no processo de debates do Plano Nacional de Educação em diferentes lugares deste país, através das conferências municipais, estaduais e nacionais. Também, o GT, tem provocado demandas de temas, como por exemplo, a formação de professores no atual estado de expansão dos Institutos Federais, onde docentes têm assumido muitas tarefas em diferentes níveis de ensino. Ainda, provocamos o debate sobre a relação dos professores, nos seus processos de formação, com as tecnologias. Temos enfrentado os temas que estão nas agendas de formação, seja ela inicial ou continuada. Os processos de formação do professor do ensino superior também tem sido acolhido pelo GT e com larga expansão na apresentação de trabalhos no campo que intitulamos Pedagogia Universitária.

Que sugestões de leituras você indicaria para alguém que queira se inteirar melhor sobre as discussões relacionadas à Formação de Professores?A da Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação Docente, periódico eletrônico do Grupo de Trabalho “Formação de Professores” (GT8) da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd), em coedição com a Autêntica Editora, pode ser acessada em:
http://formacaodocente.autenticaeditora.com.br/

Os relatórios dos Simpósios estão na pagina do GT 08 .
Os Estados da Arte sobre Formação de Professores. Foram estudos realizados sob encomenda e coordenados por membros do GT. Essa tem sido uma prática significativa no GT08 – mapeamento da produção para avaliação da produção e necessidade de indução de novas demandas.
http://portal.inep.gov.br/comped-estudos
Os estudos da FCC coordenados pela professora Bernadete Gatti;
O Catálogo do FEPAE com os periódicos cadastrados – link http://www.anped.org.br/fepae/publicacoes/diretorio, também é uma excelente

Deixamos aqui também um espaço para você abordar algum outro assunto de relevância para o GT, caso considere importante.

Precisamos discutir formatos de evento. Talvez, precisássemos inventar formatos de rodas de conversas, onde o pesquisador não vai apresentar o seu trabalho já avaliado por um parecerista do GT. Julgo necessário aproveitarmos mais os trabalhos como dispositivos para aprofundar concepções de formação, metodologias e as formas como estão sendo apresentadas; diferenças entre relatos de pesquisa e de experiências de formação. Nessas rodas, teríamos espaços para temas da política de formação e de pronunciamentos coletivos a sociedade, nossa intervenção mais política na Associação. Temos sido muito mais acadêmicos do que parceiros dos nossos colegas professores que atuam em diferentes níveis de ensino neste país. Mas ainda, precisamos complexificar os debates transversalmente, transdisciplinariamente. Não é um exercício fácil e nem rápido, mas precisamos avaliar modelos e inventar outros.


Essa entrevista foi respondida por Valeska Fortes de Oliveira – atual coordenadora do GT 08; por Joana Romanowski, coordenadora na gestão anterior e Magali Silvestri – vice coordenadora do GT 08 na atual gestão.

Pular para o conteúdo