GT03 - Movimentos sociais, sujeitos e processos educativos

Vertical Tabs

Apresentação

Objetivos

O GT 3 é constituído por pesquisadores/as da educação e de outras áreas das ciências humanas e  sociais dedicados à investigação de vários subtemas no interior de sua temática mais ampla, tais como:  desafios teóricos e metodológicos na análise dos movimentos sociais; movimentos sociais e ações coletivas, especialmente considerando o lugar dos/as sujeitos/as e dos processos educativos presentes nas ações;  estudos e investigações que se voltam à compreensão do diversificado rural brasileiro, mediante a análise das lutas sociais e das culturas do e no campo, levadas a efeito por ações coletivas, movimentos populares e sociais, comunidades, organizações de setores,  segmentos sociais e geracionais distintos, e suas relações sociopolíticas com diferentes esferas,  instituições e dimensões da educação escolar e não escolar;  pesquisas sobre a condição juvenil em diferentes esferas - educação, trabalho, cultura, lazer, ação coletiva, participação política, mídias, religião, dentre outros, considerando desigualdades e diferenças de classe, cor/ raça, gênero e sexualidade, local de moradia, dentre outros marcadores sociais.

O GT03 tem como principal objetivo investigar e refletir sobre as experiências educacionais promovidas por ou com movimentos sociais, enfatizando a forma de participação dos sujeitos – educadores e/ou educandos – nessas experiências, bem como buscando compreender a configuração dos seus processos educativos. Adota-se uma concepção ampla de movimentos sociais, abarcando quaisquer ações coletivas, nascidas de modo autônomo ou fomentadas por instituições diversas, que diante dos desafios da realidade socioeconômica e política, apresentam outras possibilidades para os processos educativos.

As origens...

O GT 03 tem sua origem em 1981, com a criação do GT Educação para o meio rural, sob coordenação da professora e pesquisadora Maria Julieta Calazans (UERJ), que permaneceu na sua condução até 1985. Em 1986 a coordenação esteve com Jacques Therrien, Maria da Graça Nóbrega e Orestes Presti. Jacques Therrien, da Universidade Federal do Ceará, ficou na sua coordenação até o ano de 1990, quando assumiu a professora Maria Nobre Damasceno, também da UFC, que permaneceu até 1993.

Ampliando o olhar para os movimentos sociais

A partir de 1993, o GT passa a se denominar Movimentos sociais e educação, novamente sob a coordenação da Profa. Julieta Calazans, com a Profa. Maria da Glória Gohn (Unicamp) como vice- coordenadora. Inauguram-se discussões sobre as relações entre educação e movimentos sociais, os paradigmas na análise dos movimentos sociais, os novos movimentos sociais e os processos educativos formais e não formais.

Em 1995 a Profa. Marília Pontes Sposito (USP) assume a coordenação do GT. Seguiram-se as seguintes coordenações: Maria Amélia Giovanetti (UFMG) em 2000; Nilton Bueno Fischer (UFRGS) de 2001 a 2003; Cláudia Pereira Vianna (USP) de 2003 a 2006; Sônia Aparecida Branco Beltrame ( UFSC) de 2006 e Juarez Tarcísio Dayrell (UFMG) de 2008 a 2010.

 

A trajetória do GT 3 durante esse período foi registrada no Trabalho Encomendado “GT Movimentos Sociais e Educação: percurso, identidade e perspectivas”, das Profas. Maria Antônia de Souza e Sônia Beltrame apresentado na 32a. Reunião Anual de outubro de 2009. Nesse texto, além de resgatarem a história do GT, as autoras fazem uma importante reconstituição da consolidação da temática das relações entre movimentos sociais e educação em nossa Associação, além da análise dos temas apresentados em nossos diversos encontros.

Movimentos sociais, sujeitos e processos educativos

Em 2010, a Profa. Maria Antônia de Souza (UTP/UEPG) assume a coordenação do GT e fica até 2012. Em outubro de 2010 o GT passou a se denominar Movimentos sociais, sujeitos e processos educativos, fruto de longas discussões teóricas sobre os objetos de investigação do GT. Levou-se em consideração uma ampliação do campo para novos temas e abordagens teóricas cuja ênfase, em vários estudos, tem priorizado a discussão sobre os sujeitos e os processos educativos presentes nas ações coletivas e movimentos sociais diversos.

Essa nova fase vivida pelo grupo, além de se abrir para incorporar questões emergentes no campo das novas configurações sociais manifestas pelos atores sociais e seus coletivos, buscou garantir a continuidade e o aprofundamento das discussões em torno do tema movimentos sociais na ANPEd. Nesse período, o GT buscou fortalecer seu papel de indutor do debate em torno do tema, investindo esforços para sua divulgação e para fortalecer sua articulação com outros grupos de pesquisas.

Temáticas acolhidas no GT 03

Um balanço dos trabalhos do GT pode ser feito a partir dos sujeitos abordados e dos objetos de investigação. No primeiro recorte, jovens, camponeses e indígenas têm sido os atores sociais mais representativos nos trabalhos apresentados no GT nos últimos anos. Além deles, embora com menor incidência, as experiências empreendidas por mulheres, afrodescendentes e outros coletivos em ações de educação não-escolar também transitam pelo grupo. Do ponto de vista das temáticas abordadas, os trabalhos refletem a diversidade de ações coletivas presentes na sociedade brasileira. Vários trabalhos dizem respeito à educação do campo abordando experiências educativas empreendidas por movimentos sociais do campo (Escolas Famílias Agrícolas, escolas de assentamentos, experiências junto ao Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA), ações coletivas no campo (MST, Via Campesina, experiências de economia solidária no campo, classes multisseriadas) e demandas dos movimentos sociais em relação à educação escolar (educação infantil, educação especial). Muitos trabalhos também dizem respeito às juventudes em diferentes ações coletivas (jovens e militância política), experiências educativas de políticas públicas (ProJovem Urbano, ProJovem Prisional) e trajetórias juvenis (universitários/as, jovens trabalhadores/as, jovens em medidas socioeducativas). Outros trabalhos abordam o tema da educação indígena, como a formação intercultural de professores e as experiências de educação escolar indígena.

Tal diversidade reflete a inserção e atuação dos membros do GT em grupos de pesquisa, muitos deles articulados nacionalmente por meio dos Observatórios da Educação do Campo, Observatórios da Juventude, Formação de Professores Indígenas e Licenciaturas em Educação do Campo.

As reuniões do GT na presente década têm se caracterizado por um intenso processo de reflexividade do grupo, acerca de sua identidade e das possibilidades de pesquisa e engajamento na realidade educacional. Para tanto, constantemente têm induzido trabalhos e minicursos para subsidiar as discussões sobre os fundamentos e abordagens mais recentes nesse campo, bem como avaliar a produção do próprio GT03. Assim, os trabalhos encomendados e minicursos buscaram aprofundar os debates sobre sujeitos, processos educativos, movimentos sociais, políticas públicas,  diversidades, metodologias qualitativas, juventude do/no campo, ações coletivas juvenis e metodologias de projetos sociais com jovens. Em 2017, foi apresentado um trabalho que refletiu sobre a recente produção do GT. Além disso, as sessões especiais articuladas no âmbito da subárea abordaram a temática de gênero, educação ambiental,  jovens no mundo do trabalho, protestos sociais  e juventude e educação.

Dados do Grupo
Coordenador:
Luis Antonio Groppo / UNIFAL
E-mail do Coordenador:
luis.groppo@gmail.com
Vice-coordenador:
Licinia Maria Correa / UFMG
Grupos de Pesquisa

GRUPOS DE PESQUISA VINCULADOS AO GT 03

 

1) EDUCAÇÃO DO CAMPO EEA/UEFS

Coordenação: Fábio Dantas de S. Silva; Ludmila Oliveira Holanda Cavalcante

Página do grupo: http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/43118

O grupo de estudos em Educação do Campo desenvolve uma trajetória de pesquisa em Educação do Campo sob três enfoques básicos: Educação do Campo e Movimentos Sociais; Educação do Campo e Políticas Públicas e Educação do Campo e Práticas Pedagógicas. Para consolidação do seu trabalho, o grupo tem o ¿campo¿ como categoria de análise e assume o posicionamento epistemológico a perspectiva da teoria social crítica. Desse modo, os estudos realizados buscam compreender a realidade do campo a partir das suas contradições, dos seus processos de organização social, político, econômico e ambiental. Ademais, as atividades do grupo estão vinculadas a perspectiva de articulação do ensino à pesquisa e à extensão em educação, que objetivam a formação de pesquisadores e educadores inseridos em escolas e movimentos sociais do campo.

 

2) GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS JUVENTUDE, ESCOLA, TRABALHO E TERRITÓRIO (JETT)

Coordenação: Mônica Dias Peregrino

Página do grupo: http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/234282

A partir de bases de dados acerca de conjuntos delimitados da população de jovens do país, buscamos investigar as mudanças trazidas por processos que, em seus limites e contradições, vêm permitindo o ingresso destes em instituições e processos antes restritos a porção mínima da juventude brasileira. Investigamos também as rupturas impostas a este processo nos últimos anos. Os estudos aqui presentes buscam compreender o papel relativo desenvolvido pela escola (em sua parceria com outras instituições de socialização juvenil) nos processos de transição para a vida adulta. Para isso, operamos: com a construção e implantação de bases de dados que fornecem subsídios para as pesquisas do grupo; com a construção de mapas analíticos de políticas públicas, em especial aquelas que tocam à juventude e suas condições de estudo e trabalho; com a construção de bancos de entrevistas que permitam às juventudes expressar os problemas de seu tempo.

 

3) NÚCLEO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO, MOVIMENTOS SOCIAIS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS – NUPECAMP.

Página do grupo: https://utp.br/nupecamp/ 

Coordenação: Maria Antônia de Souza

As atividades de ensino e de pesquisa desenvolvidas desde 2002 na Linha de Pesquisa – Práticas Pedagógicas: Elementos Articuladores –, na Universidade Tuiuti do Paraná, deram origem ao Grupo de Estudos Prática Educativa e Movimentos Sociais do Campo. O grupo acumulou experiência com as pesquisas sobre práticas pedagógicas e Educação do Campo, na graduação em Pedagogia e no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação, no Mestrado e recentemente no Doutorado. Em 2010, fruto do intenso debate entre os membros do Grupo, foi criado o Núcleo de Pesquisa em Educação do Campo, Movimentos Sociais e Práticas Pedagógicas. Ele agrega pesquisadores egressos do Mestrado em Educação da Universidade Tuiuti do Paraná, da Universidade Estadual de Ponta Grossa, Universidade Federal do Paraná, Universidade de São Paulo entre outras, doutorandos, alunos de Iniciação Científica e de Trabalhos de Final de Curso (TCC). É fruto do debate com os egressos do mestrado em Educação, orientandos de mestrado, de iniciação científica, e com pesquisadores de outras instituições. Fruto, também, da pesquisa sobre os conteúdos das teses e dissertações, defendidas no período de 1987 a 2007 nos Programas de Pós-Graduação em Educação, que versaram sobre educação e movimentos sociais, com financiamento do CNPq, modalidade Produtividade em Pesquisa. Nos últimos anos o Núcleo tem sido marcado pela presença de pesquisadores que se interessam pela investigação da Educação do Campo e Práticas Pedagógicas. Como desdobramentos das atividades do NUPECAMP destacam-se dois projetos vinculados ao OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO/CAPES. Um deles investiga educação do campo na Região Sul do Brasil, no contexto de um núcleo em rede coordenado pela UFSC, em parceria com UFPEL. O outro investiga a educação do campo na Região Metropolitana de Curitiba e tem o intuito de envolver os municípios na problematização da gestão e práticas pedagógicas nas escolas públicas localizadas no campo.

 

4) OBSERVATÓRIO JOVEM DO RIO DE JANEIRO – UFF

Coordenação: Paulo César Rodrigues Carrano

Link para o Diretório de Grupos do CNPq: http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/7518085301334675  

O Observatório Jovem do Rio de Janeiro/UFF foi criado no ano de 2001. Está sediado no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense,  Desenvolve atividades de pesquisa, extensão universitária e formação de novos pesquisadores para o campo de estudos da juventude. Integrou as seguintes pesquisas: 1. Estado do Conhecimento Juventude e Escolarização (1980-1998); 2. Juventude Brasileira e Democracia: participação, esferas e políticas públicas (livro Democracy, Citizenship and Youth, London, 2009); 3. Juventude, escolarização e poder local (2005-2007); 4. Estado da arte da produção discente na área da juventude (Educação, Ciências Sociais e Serviço Social, 1999 e 2006). Coordena a equipe interinstitucional de análise dos dados da pesquisa Juventude Iberoamericana, iniciativa do Observatório Iberoamericano de Juventude (2019-2020). A pesquisa atual do grupo denomina-se "Eu sou muitos: compreendendo processos de individuação de jovens estudantes universitários" (Apoio CNPq). O grupo produz filmes de pesquisa e experimenta metodologias de investigação e formação com a fotografia e o audiovisual. 

 

5) JOVEDUC- Jovens Violência e Educação

Coordenação: Joyce Mary Adam

Página do grupo: https://ib.rc.unesp.br/#!/departamentos/educacao/grupos-de-pesquisa/joveduc/o-grupo/ 

Este grupo tem desenvolvido vários projetos que tem por objetivo investigar os processos de inserção social de jovens na sociedade contemporânea, enfocando a questão das políticas sociais, violência e educação. Os estudos que temos feito aponta para que se pense a violência que permeia o contexto escolar sob uma perspectiva mais abrangente, isto é, inserida nos diferentes espaços pelos quais os jovens transitam, convivem com os outros, estabelecem vínculos e se tornam protagonistas e/ou vítimas de violência. O GRUPO DE PESQUISA tem desenvolvido projetos em parceria com instituições nacionais, como Secretarias de Educação, e universidades do exterior, como o projeto desenvolvido com professora da Faculdade de Educação na Universidade de Cambridge, Reino Unido. Nesse momento estamos fechando convênio com a Université de Picardie Jules Verne, França.

 

6) GESET - Grupo de Pesquisa em Socialização, Estratificação e Trajetórias Juvenis e Educacionais

Coordenação.: Célia E. Caregnato

Página do grupo: https://www.ufrgs.br/geset/ 

O grupo atua nos campos da Sociologia da Educação e da Sociologia da Juventudes, a partir da problematização da relação entre trajetórias juvenis e educacionais com processos de socialização e de individuação. Tem abordado práticas sociais que configuram, de um lado, tendências estruturais e, de outro, potencialidades reflexivas e atuações que sinalizam capacidade de ação e mudanças na relação com tendências histórica e estruturalmente construídas. O GESET possui dois eixos de organização de suas atividades. Um deles investiga estratificações e trajetórias de estudantes na educação superior e na transição para este nível de ensino. O segundo se orienta a projetos de pesquisa e extensão atentos a relações e práticas sócio culturais produzidas por jovens em periferias urbanas, com destaque à articulação destas com instituições educativas e/ou do trabalho.

 

7) TRAMAS - Laboratório de Pesquisa em Educação, Transmissão Intergeracional, Trabalho e Política

Coordenação: Kimi Tomizaki

Link para o Diretório de Grupos do CNPq: http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/681313 

O grupo tem as seguintes linhas de pesquisa: Processos intergeracionais de transmissão e herança; Socialização política, politização e engajamento militante; Transformações do comportamento político da classe trabalhadora brasileira.

 

8) TRABALHO, MOVIMENTOS SOCIAIS POPULARES E EDUCAÇÃO DO CAMPO - TRAME

Coordenador: Dileno Dustan Lucas de Souza

Link para o Diretório de Grupos do CNPq: http://dgp.cnpq.br/dgp/faces/home.jsf?faces-redirect=true 

O grupo de pesquisa visa agrupar pesquisadores/as (professores/as, estudantes, técnicos administrativos, movimentos sociais populares e demais interessados) que tenham como objetivo desenvolver atividades de Pesquisa, Extensão e Ensino numa perspectiva interdisciplinar privilegiando como focos centrais a reflexão sobre Trabalho, Movimentos Sociais Populares e Educação do Campo, processos educativos e as relações socioeconômicas, culturais e ambientais que constituem a organização do espaço agrário, assim como as diferentes formas de organização do campesinato e as dinâmicas dos movimentos sociais populares que atuam na luta pela terra/educação/trabalho. Nesta perspectiva o grupo vem desenvolvendo ações em diferentes temáticas que se inter-relacionam: Educação do Campo, políticas públicas, relações de gênero, processos educativos escolares e não escolares, juventude e participação social; crianças e adolescentes em situação de risco, diversidades socioculturais, relações étnico-raciais.

 

9) OBSERVATÓRIO DAS JUVENTUDES UEMG

Coordenador: Prof. Dr. Francisco André Silva Martins

O Observatório das Juventudes UEMG é um grupo de pesquisa e extensão que tem como objetivo central realizar atividades de investigação e levantamentos de dados sobre a tríade Juventudes, conhecimentos e pedagogias decoloniais. A dimensão plural do termo juventudes inscreve o observatório num diálogo com sujeitos que carregam em suas identidades biografias plurais, que escapam a qualquer tentativa de universalização de suas experiências e de suas histórias de vida. As juventudes são condições, histórias que trazem marcas situacionais geracionais, raciais, sexuais, midiáticas, familiares, educacionais, políticas, econômicas, culturais, religiosas específicas para cada jovem ou situação juvenil que se quer pesquisar. Portanto, nos aproximamos da literatura da sociologia das juventudes, que dialogam com os sujeitos jovens em suas pluralidades. O termo conhecimentos, também inscrito em sua dimensão plural, significa uma abertura epistemológica para diálogos mais complexos sobre os modos de ser, de viver, de participar, de se formar, de se comunicar, de se experimentar e se dizer das juventudes contemporâneas. E as pedagogias decoloniais é a inscrição das pesquisas do observatório em diálogo com as matrizes e posicionamentos epistemológicos, curriculares, pedagógicos, políticos, estéticos e culturais do debate decolonial da educação brasileira na contemporaneidade. Nesse sentido, os projetos do observatório é um compromisso e um encontro com outras pesquisas de cunho decolonial posto na América Latina.

 

10) EDUCAÇÃO DO CAMPO, MOVIMENTOS SOCIAIS E PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA.

Coordenador: Ramofly Bicalho

Link para o Diretório de Grupos do CNPq: http://dgp.cnpq.br/dgp/faces/home.jsf?faces-redirect=true 

Nossa intenção com este grupo de pesquisa é continuar o debate acerca da educação do campo e a formação do educador na sua estreita relação com os movimentos sociais e a pedagogia da alternância no Brasil. Entendemos que a produção crítica do conhecimento nas escolas do campo ressignifica memórias, identidades e histórias de vida de educadores e educandos. Contribui ainda para romper com a ausência de projetos emancipadores no campo brasileiro. Neste projeto, trabalharemos com a historia dos movimentos sociais do campo no Brasil e sua luta por educação popular. As fases de fortalecimento e recuo dos movimentos sociais no Brasil. Políticas públicas de educação do campo e sua relação com os povos camponeses, os movimentos sociais e as escolas do campo. História da pedagogia da alternância como projeto de formação integral, auto-formação e desenvolvimento do meio. Apropriações da alternância pelos movimentos sociais no Brasil, em meio às experiências das lutas por Reforma Agrária.

 

11) HUMANIZE - GRUPO DE PESQUISA SOBRE HISTÓRIA, EDUCAÇÃO SOCIAL E VIDA COTIDIANA.

Coordenador: Fábio Santos de Andrade

Pagina do grupo: www.humanize.unir.br

O Grupo de Pesquisa sobre História, Educação Social e Vida Cotidiana, intitulado HUMANIZE, é um espaço de valorização e produção de conhecimento, de reflexão sobre a vida cotidiana e sobre as relações de sociabilidade. O Humanize tem como objetivo reunir (para estudos, discussões e pesquisas) estudantes e professores de graduação e pós-graduação em História, Pedagogia, Sociologia e áreas afins. É também um espaço de participação da sociedade, principalmente de pessoas que vivenciam na prática o cotidiano relacionado à temática do grupo. As discussões do grupo têm como eixo principal a história social, a sociologia do cotidiano e a educação social, objetivando a fomentação de pesquisas e atividades de extensão que atendam as especificidades das Linhas de Pesquisa. As produções do Humanize partem da compreensão sobre a epistemologia e ontologia fenomenológica de Merleau-Ponty em diálogo com orientação teórico-metodológica da Pedagogia de Paulo Freire.

 

12) GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS MOVIMENTOS SOCIAIS, DIVERSIDADE E EDUCAÇÃO DO CAMPO E CIDADE - GEPEMDECC/CNPQ (UESB)

Coordenação: Arlete Ramos dos Santos

Página do grupo: http://www2.uesb.br/gepemdecc/

O Grupo vem desenvolvendo diversas atividades ligadas ao ensino, pesquisa e extensão, realizando encontros de estudos, publicando trabalhos resultados das pesquisas realizadas e desenvolvendo projetos de extensão. Neste contexto, o grupo começou a desenvolver a pesquisa e a extensão de forma integrada. Dentro do GEPEMDECC diversas categorias são estudadas, como políticas públicas, Educação do Campo, movimentos sociais e formação de professores. Vinculado à Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) e à Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), o grupo desenvolve atividades em diversas cidades, dentro do estado da Bahia.

 

13) GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM ADOLESCÊNCIA, JUVENTUDE E FATORES DE VULNERABILIDADES E PROTEÇÃO – GEPJUV

Coordenação: Lúcia Isabel da Conceição Silva / PPGED - UFPA

Link para o Diretório de Grupos do CNPq:  http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/6360568206173900 

O GEPJUV tem como objetivo contribuir com o avanço do conhecimento sobre Adolescência e Juventude na Amazônia e no Brasil com foco especial nas interações entre os fatores que atuam como risco ao desenvolvimento e aqueles que atuam na proteção e promoção de desenvolvimento saudável. O grupo agrega pesquisas na interface entre Psicologia, educação e direitos humanos envolvendo, sobretudo, as juventudes negras e excluídas e suas estratégias (individuais e coletivas) de enfrentamento às violências, racismos e produção das subjetividades. Os projetos do GEPJUV são desenvolvidos em articulação com organizações e movimentos sociais de direitos humanos e o projeto Geral atual é "Juventude Negra, subjetividades e processos de enfrentamento äs violências: (re) pensando o papel da escola.

 

14) GRUPO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO, POBREZA E DESIGUALDADE SOCIAL

Coordenação: Renata Duarte Simões; Marlene de Fatima Cararo Pires

Página do Grupo: http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/556063 

Busca fomentar pesquisas e debates sobre Educação, Pobreza e Desigualdade Social em seus aspectos históricos, políticos e sociais, visando à reflexão sobre processos educativos em espaços escolares e não escolares e à transformação da realidade escolar e social. Realiza debates e reflexões que se aproximam da formação inicial e continuada, sobretudo nos cursos de licenciatura, e dos debates desenvolvidos pelas Ciências Sociais que se debruçam sobre os processos não-formais de ensino.

 

15) GPPES - GRUPO DE PESQUISA EM POLÍTICAS PÚBLICAS, EDUCAÇÃO E SOCIEDADE/FE/Unicamp

Coordenação: Gabriela Guarnieri de Campos Tebet e Antônio Carlos Dias Junior.

Página do Grupo: https://www.gppes.fe.unicamp.br/ 

O GPPES tem como foco o estudo das relações entre Política, Educação e Sociedade numa perspectiva interdisciplinar. A partir dessa abordagem considera também diferentes perspectivas sobre infância, juventude e adultez e suas influências nas políticas educacionais e em práticas sociais. Desenvolve pesquisas e oferece disciplinas sobre: processos de formulação e implementação de políticas educacionais brasileiras e de outros países, bem como o papel dos movimentos sociais nesse processo; analisa as formas de organização e governança nos diferentes níveis do sistema educativo, as dinâmicas e cultura escolar; estuda também a relação entre as teorias políticas e a educação; a circulação regional, nacional e internacional do conhecimento científico. Discute ainda os impactos de determinadas políticas sobre os diferentes grupos sociais. É a partir de tais perspectivas que o GPPES discute a produção das diferenças e desigualdade sociais que marcam as pesquisas da linha de pesquisa 2 – Ciências Sociais na Educação, do Programa de Pós-Graduação da FE/Unicamp.

 

16) EMPesquisa

Coordenação: Nora Rut Krawczyk (Unicamp) e Mônica Ribeiro da Silva (UFPR)

Página do Grupo: http://www.observatoriodoensinomedio.ufpr.br/empesquisa/ 

O EMpesquisa é um grupo interinstitucional que tem como propósito articular investigações científicas em torno dos mais variados aspectos que envolvem, direta ou indiretamente o Ensino Médio. Atualmente se dedica a uma pesquisa nacional intitulada “Reforma do Ensino Médio com a Lei 13.415/2017: percursos das redes estaduais e da rede federal de Ensino Médio”, da qual participam professores vinculados a programas de pós-graduação e estudantes de iniciação científica, mestrado e doutorado de diferentes instituições nacionais.

 

17) GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A JUVENTUDE – UNIFAL-MG

Coordenação: Josefa Alexandrina Silva; Luís Antonio Groppo

Projeto que agrega pesquisa e extensão, aberto para a livre participação de jovens, profissionais e outros sujeitos sociais interessados pela juventude. Seu objetivo é propor e desenvolver ações de extensão e pesquisa em conjunto com outros atores da UNIFAL-MG e da sociedade política e sociedade civil do município de Alfenas e de outras localidades, a respeito dos temas de interesse das juventudes, em destaque sobre Educação e Direitos Humanos. O grupo tem realizado atividades de extensão conjugadas à pesquisa sobre os movimentos estudantis universitários e secundaristas.

 

18) ECUS - EDUCAÇÃO, CULTURAS E SUSTENTABILIDADE - UFJF 

Coordenadora: Simone da Silva Ribeiro 

Ementa: O grupo foi criado com o intuito de desenvolver pesquisa, extensão e formação de professores em contextos que evidenciem a diferença/diversidade ou de desigualdade e exclusão e cujas concepções de educação, ensino e pesquisa valorizem os processos compartilhados de construção de conhecimentos, as relações interculturais e a promoção de uma educação emancipatória. Neste sentido priorizamos três grandes temáticas que se interrelacionam e se interpenetram sem, no entanto, perder as especificidades e que orientam as três linhas de pesquisa: educação, culturas e sustentabilidade.

 

19) TRAJETÓRIAS, CULTURAS E EDUCAÇÃO - TRACE.

Coordenação: Mirela Figueiredo Santos Iriart e Ivan Faria

Página do grupo: https://grupotrace.wixsite.com/grupotrace 

O grupo de pesquisa Trajetórias, Cultura e Educação (TRACE) nasceu em março de 2013, da confluência de interesses de pesquisadores ligados ao Departamento de Educação da UEFS em torno de reflexões e ações sobre os possíveis diálogos entre juventude, culturas e educação. Reúne pesquisadores(as) de diferentes campos de conhecimento como sociologia, biologia, arte-educação, psicologia, música, de maneira interdisciplinar. As atividades de investigação e de extensão envolvem como foco as relações entre educação e trajetórias de vida, os processos de socialização, inserção social e produção de sentido em contextos educacionais formais e não formais.

 

20) GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA AMAZÔNIA (GEPECAM)

Coordenação: Eraldo Souza do Carmo

Link para o Diretório de Grupos do CNPq: http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/7557481468862782 

Estudos e pesquisas sobre educação do campo na Amazônia, com foco para o transporte escolar, nucleação de escolas, financiamento da educação do campo com destaque para o custo aluno qualidade da escola do campo, práticas pedagógicas e uso e apropriação tecnologias educacionais pelos professores do campo, práticas curriculares, práticas educativas em consonância com os movimentos sociais do campo. Formulação de indicadores sociais sobre as escolas e qualidade social da educação do campo. Neste sentido, é pertinente problematizar a formação de professores e o movimento por uma educação do e no campo em permanente diálogo com os sujeitos e movimentos sociais do campo.

 

21) GRUPO DE PESQUISA DISCURSOS DA CIÊNCIA E DA TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO -  DICITE - UFSC

Coordenação: Suzani Cassiani; Irlan von Linsingen

Link para o Diretório de Grupos do CNPq: http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/9664418039418355 

O conhecimento científico foi uma das formas da construção do racismo, da branquitude, do patricardo e do capitalismo. Temos que nos perguntar constantemente: qual o objetivo do que estamos ensinando? Será que o conhecimento científico da forma como é ensinado consegue responder às demandas da sociedade, como a fome, a pobreza a desigualdade social? Quais problemas temos e podemos que atacar em prol dos direitos humanos? Em março de 2004, pesquisadores de diferentes áreas disciplinares da UFSC, reconhecendo a necessidade de aprofundar questões relacionadas à educação nas relações da Ciência, Tecnologia e Sociedade na América Latina, bem como compreender o funcionamento da linguagem, criam um Grupo de Estudos e Pesquisas de caráter interdisciplinar que recebe o acrônimo DICITE. Com atividades de pesquisa, ensino e extensão, inclusive em Timor-Leste, se inicia um marco teórico importante, agregando os estudos de colonialidade  e as resistências nas pedagogias decoloniais na Educação em Ciências. O grupo tem buscado conhecimentos silenciados pela colonialidade, tais como referências latino-americanas, africanas e asiáticas.

 

22) EMENTA: GRUPO INTERDISCIPLINAR DE ESTUDOS, PESQUISAS E EXTENSÃO EM EDUCAÇÃO (GIEPE) – UFPA

Link para o Diretório de Grupos do CNPq: http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/6010102609152742 

Coordenador. Natamias Lopes de Lima

Tem como finalidade desenvolver estudos, pesquisas e extensão na perspectiva interdisciplinar, em educação. A Diversidade constitui-se um dos princípios do grupo, no qual se aglutinam temáticas sobre Educação do Campo, Educação de Jovens e Adultos; Educação Escolar e Diversidade; Educação Especial, Diversidade étnico-racial e religiosa, gênero, trabalho. Fazem parte também do raio de abrangência do grupo, questões sobre currículo, docência, formação de professores. O Grupo realizará cursos, oficinas, seminários, eventos, encontros, publicações, visando o fortalecimento e a melhoria da qualidade da educação, seja referente ao espaço rural ou urbanoO grupo está ativo, com atividades presenciais interrompidas devido a Pandemia

Coordenador. Natamias Lopes de Lima

 

23) PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO FÍSICA (PPEDUFIS)

Link para o Diretório de Grupos do CNPq: http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/688355 

Coordenação: Cátia Duarte (parceria de Wilson Alviano Jr. da FACED/ UFJF e Luís Cunha da Antropologia/ Universidade do Minho).

A partir da educação dos jovens nas cidades, nas aldeias (brasileiras e portuguesas), nos quilombos e nas zonas rurais, desenvolvemos estudos sobre a antropologia dos corpos e como estes organizam movimentos sociais populares nos processos educativos. Por meio de uma linha decolonial que valoriza o corpo como fato social total, tem-se debruçado sobre: 1. banco de entrevistas com lideranças urbanas, indígenas, quilombolas, caiçaras e portuguesas; 2. banco de vídeos produzidos pelas comunidades para defender seus patrimônios; 3. pesquisas sobre danças tradicionais na escola, processos educativos da escolarização básica e identidade nos movimentos sociais; 4. cursos de formação continuada de professores da rede pública de Juiz de Fora; 5. visitas técnicas às comunidades com alunos do ensino médio da região; 6. construção de materiais didáticos, para o ensino médio, que considerem diferentes metodologias docentes (interculturalidade crítica, oralidade, cantos xamânicos, danças tradicionais etc).

 

24) GRUPO DE ESTUDOS, PESQUISAS E EXPERIMENTAÇÕES EDUCACIONAIS - GEPEE/ IAT

Coordenação: Rosemary Lopes Soares da Silva; Jean Mário Araújo Costa

Link para o Diretório de Grupos do CNPq: http://dgp.cnpq.br/dgp/espelholinha/55706227067593281127352
Analisar os aspectos teóricos, históricos, culturais, sociais e políticos da Educação Popular e a relação entre e as interfaces da Saúde, Ciência, Tecnologia, Sociedade e Ambiente nas práticas e processos educativos com/na Formação de Professores da Educação Básica e EJA. Especificamente, propõe-se a realizar pesquisas e ações práticas noscampos da Educação e Cultura Popular com os processos educativos nodiálogo com as práticas pedagógicas e com a Formação de Professores.

 

25) GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM POLÍTICA E AVALIAÇÃO EDUCACIONAL (GEPALE) – BAHIA/ UNEB

Coordenação:  Edite Maria da Silva de Faria

Link para o Diretório de Grupos do CNPq: http://dgp.cnpq.br/dgp/espelholinha/1760930001567993686957 

O GEPALE BAHIA ampliará e consolidará intercâmbios e parcerias institucionais visando a cooperação acadêmica e técnica para o avanço do conhecimento no campo da Educação em espaços escolares e diferentes espaços de aprendizagens. Possui como objetivo analisar as Políticas e Avaliação Educacional no âmbito escolar e nos diversos espaços de aprendizagem e sistemas educacionais (locais, nacional e internacional) na Contemporaneidade fomentando a constituição de redes regionais, nacionais e internacionais de estudos, pesquisas e experiências no campo da política, avaliação educacional e educação comparada.

 

26) EDUCAÇÃO DO CAMPO, ALTERNÂNCIA E REFORMA AGRÁRIA

Coordenação: Lourdes Helena da Silva; Élida Lopes Miranda

Link para o Diretório de Grupos do CNPq: http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/2411005410909628 

O Grupo de Pesquisa-Ação Educação do Campo, Alternância e Reforma Agrária (Ecara) busca articular esforços na consolidação do projeto político pedagógico da Educação do Campo, destacando a Alternância, a Formação de Educadores do Campo e a Agroecologia como linhas prioritárias de pesquisas e de intervenções interinstitucionais, com vistas tanto à produção de conhecimentos que subsidiem os movimentos e as experiências populares em suas práticas educativas, quanto o fortalecimento das pesquisas desenvolvidas nos programas de pós-graduação.

 

27)  OBSERVATÓRIO DA JUVENTUDE DA UFMG

Coordenadores: Geraldo Magela Pereira Leão; Juarez Tarcísio Dayrell

Link para o Diretório e Grupos do CNPq: http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/1526853808487852 

O Observatório da Juventude da UFMG é um programa de pesquisa, ensino e extensão da Faculdade de Educação da UFMG. Está inserido no contexto das políticas de ações afirmativas em torno da temática educação, cultura e juventude, tendo como eixos norteadores a condição juvenil, políticas públicas, escolarização, trabalho, práticas culturais e ações coletivas da juventude na cidade e a construção de metodologias de trabalho com jovens. O Grupo de Pesquisa vem desenvolvendo atividades de investigação, levantamento e disseminação de informações sobre a situação dos jovens na Região Metropolitana de Belo Horizonte em torno das linhas de pesquisa: Juventude, ações coletivas e participação social; Juventude e escola; Juventude, práticas culturais e esfera pública e Trajetórias de jovens e condição juvenil no campo. Desde 2007 desenvolve pesquisas de mestrado e doutorado, além de investigações de âmbito nacional em parceria com outras universidades e instituições.

 

28) GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO DO CAMPO NA AMAZÔNIA – GEPERUAZ - INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO DA UFPA.

Coordenação: Salomão Hage

Página do Grupo: https://educampoparaense.com/

O Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação do Campo na Amazônia - GEPERUAZ é formado por um coletivo de pesquisadores/educadores/militantes, comprometidos com a realização de estudos e práticas que pautam a Educação Básica e Superior nas multi-territorialidades das Amazônias cuja centralidade foca a natureza, o trabalho e a cultura nas suas diversas formas, organizações e identidades - ribeirinhos e pescadores, agricultores, assentados e acampados, indígenas, quilombolas e extrativistas. O grupo desde a sua criação em 2002 concebe a educação e a ciência numa perspectiva dialógica e intercultural, entendendo-as como estratégicas na disputa pela hegemonia de um projeto popular e emancipatório de sociedade, que assegure a todos os direitos humanos e sociais.

 

29) GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO - GEPSE – UNISINOS

Coordenador: Rodrigo Manoel Dias da Silva

https://www.facebook.com/gepse.unisinos e https://www.instagram.com/gepse.unisinos/

O Grupo de Estudos e Pesquisas em Sociologia da Educação (GEPSE/Unisinos) objetiva promover investigações e análises acerca das relações contemporâneas entre educação, políticas educacionais e sociedade. Visa desenvolver e consolidar, enquanto trabalho colaborativo, um conjunto de problematizações e abordagens temáticas desenvolvidas individualmente, destacando-se o exame das políticas educacionais e de suas interfaces com as questões urbanas brasileiras; as processualidades políticas e suas relações com a cidadania e a escolarização; os processos socioculturais e as experiências educativas contemporâneas; e as novas tarefas assumidas pela educação e pela cultura em diferentes espaços sociais, como projetos de governo, políticas públicas ou ações sociais. Do ponto de vista teórico-metodológico, são privilegiadas abordagens plurais, cujos resultados intelectuais oportunizem contribuições sistemáticas da Sociologia da Educação ao campo das políticas educacionais.

30) GRUPO DE PESQUISA COGITARE: Estudos em Formação, Política e Trabalho Humano (NUTES/URFJ)

Coordenação: Gustavo de Oliveira Figueiredo e Sônia Cristina Soares Dias Vermelho

Link para o Diretório e Grupos do CNPq: http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/2734715268881813

O Grupo de Pesquisa COGITARE: Estudos em Formação, Política e Trabalho Humano contribui com o desenvolvimento de pesquisas nas áreas de saúde, ensino e educação, com ênfase em políticas públicas e mediações socioculturais. Temos produzido publicações qualificadas sobre formaçãoe trabalho na educação e na saúde públicas, analisando os desafios enfrentados porprofessores, alunos, profissionais de saúde e comunidades em contextos de vulnerabilidade eexclusão social. Obtivemos aprovação em editais públicos de agência de fomento (FAPERJ,CNPQ, PROFAEX/UFRJ), articulando o processo de pesquisa-ação com ações de extensão compotencial de transformar a realidade dos locais em que atuamos, tanto por meio de ações demediação cultural, quanto por meio da formação profissional e docente. Privilegiamos métodos coletivos e participativos de modo que a produção científica se comprometa com o contextosocial e o desenvolvimento de ações que promovam o pensamento crítico e a autonomia dos sujeitos e coletivos.

31. GRUPO DE PESQUISA E ESTUDOS EM FORMAÇÃO HUMANA, EDUCAÇÃO E MOVIMENTOS SOCIAIS POPULARES

Coordenação: Carlos Antônio Bonamigo

https://www.unioeste.br/portal/grupos-de-pesquisa-francisco-beltrao/gefhemp

O Grupo de Pesquisa e Estudos em Formação Humana, Educação e Movimentos Sociais Populares, criado em 2016, pretende ampliar a presença dos Movimentos Sociais Populares no espaço universitário assim como desenvolver pesquisas que aprofundem as questões que envolvem estes sujeitos coletivos e as ações de formação e educação. Assim como pesquisar relações sociais que envolvem a pesquisa e a prática social dos Movimentos Sociais Populares e a Educação.
 

32. NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO DO CAMPO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES\AS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NUPEFORP - UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SEMIÁRIDO.

Coordenação: Socorro Silva

O grupo é formado por um coletivo de docentes do ensino superior e da educação básica, estudantes da graduação da Licenciatura em Educação do Campo e pós-graduação em educação, foi criado em 2013, e possui 04 linhas de pesquisa: Educação do Campo, Politicas Educacionais e Práticas Educativas na Convivência com o Semiárido, Formação de professores(as) do campo, processos de ensino e saberes da docência, Identificações, territorialidades e culturas campesinas no semiárido e Prática Pedagógica Campesina: Contextualização como recurso pedagógico para a produção de material didático.

 

 

Documentos

Publicação

"Movimentos Sociais, sujeitos e processos educativos - uma antologia do GT 03 da ANPEd" - baixar em PDF

Documentos

II Encontro Nacional do GT03 (4 e 5 de março de 2021)

Relato de Reunião - março de 2021

Ata de Reunião de Planejamento - março de 2021

 
Vídeos
Mesa 1: Movimentos sociais e educação no Brasil. 4 de março de 2021.
 
Mesa 2: Movimentos sociais na América Latina hoje. 5 de março de 2021.

 

Vídeos