ANPEd Sudeste teve início com conclamação de resistência contra a privatização e o conservadorismo na Educação

O auditório do Teatro Universitário da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) recebeu neste domingo (10) a abertura da 12a Reunião Científica Regional Sudeste da ANPEd. O espaço totalmente tomado por mais de mil alunos e professores presenciou diversas intervenções de "Fora Temer".

Andrea Gouveia, presidente da ANPEd, pontuou a importância do tema do encontro para refletir sobre questões de disputa na área: "Diálogos entre a Pesquisa e as Políticas de Educação na Atualidade", exatamente em um momento de graves ações do MEC, como a revogação da nomeação de conselheiros do Conselho Nacional de Educação (CNE) - a Associação recusou o convite para participar da posse das novas recolocações de conselheiros que acontece nesta segunda (11) como forma de repudiar as decisões e de não reconhecer a legitimidade do atual governo. Por outro lado, Gouveia também celebrou a importância de 2016 para a pesquisa. "Há que se comemorar a realização e integração das cinco regiões através das regionais da ANPEd, apontando crescimento e união de esforços."

Após apresentações culturais, falas de autoridades e organizadores ressaltaram o difícil momento político pelo qual o país passa, com forte impacto na educação. Carlos Ferraço, vice-presidente da ANPEd pela região Sudeste, abriu sua fala lembrando o desmonte que o governo Temer, apesar de provisório, já vem realizando, a exemplo do fim da Secadi. Por sua vez também afirmou que a ocupação de escolas por estudantes em diferentes pontos do país representa um alento de resistência. A realização de um encontro reunindo 64 programas de pós-graduação em educação apresentou-se como um imenso desafio nesse contexto, como lembrou Cleonara Maria Schwartz (UFES), coordenadora do evento, que também frisou o empenho da equipe local e envolvimento de alunos. Coordenadora do Forpred pela região Sudeste, Patrícia Corsino destacou a presença em peso de estudantes de pós-graduação no local, mesmo em um momento em que estão penalizados pelo corte de verbas do Proap. Como salientou José Gondra, coordenador do Forpred nacional, o momento adverso pede fortalecimento por parte dos programas de pós-graduação.

Em sua conferência de abertura, Luiz Carlos Freitas apontou os equívocos dos "novos reformadores da educação". O contexto nacional é de abertura de espaço cada vez maior ao neoliberalismo, que mostra sua cara através de políticas de privatização que se associam à forte onda conservadora que incide sobre a sociedade brasileira. Freitas também chamou atenção para a falácia do uso de  "evidências" pelos reformadores educacionais para sustentar suas propostas de políticas públicas de recorte neoliberal (clique aqui e leia entrevista do portal ANPEd com o professor da Unicamp). "Políticas por supostas evidências são uma justificativa para implementação de reformas empresariais". O conferencista reconhece, mesmo diante do avanço das políticas neoliberais no Brasil facilitadas pelo golpe, a existência de contradições e, afirma: onde há contradição há luta. Freitas encerrou sua conferência recusando o corte nos gastos sociais e conclamando, através de projeção: "Fora Temer!".

*

A ANPEd Sudeste segue até quarta-feira (13) no campus da UFES em Vitória - ES. Confira a programação completa.

* Reportagem e imagens: João Marcos Veiga / ANPEd

 

Leia Também