Comitê Científico se reuniu para definição dos trabalhos a serem apresentados na 35ª RA em Porto de Galinhas

 

A reunião, que acorreu nos dias 28 e 29 de junho na PUC-RJ, contou com a presença dos representantes dos GTs no Comitê Científico (alguns como suplentes) e da diretoria da Anped. A avaliação das cinco subáreas decidiu aqueles trabalhos (além de pôsteres e minicursos) que serão apresentados durante a RA, que será realizada em outubro em Porto de Galinhas (PE).

  • Confira o resultado final dos trabalhos, pôsteres e minicursos para a 35ª RA (clique aqui).

No primeiro dia do encontro, o secretário geral da Anped, Elizeu Clementino (UNEB), apresentou e esclareceu o processo de escolha de Porto de Galinhas para a 35ª RA, com detalhes da infraestrutura do complexo do Hotel Armação, da logística (como a montagem da Feira de Livros) e convênios firmados. Para o vice-presidente Antônio Cabral Neto (UFRN), “o Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Pernambuco não só apresentou a candidatura, como fez uma importante articulação para viabilizar a Reunião Anual”. Nos informes do coordenador do Comitê Científico, professor Antônio Álvaro Zuin, foram apresentados os números da avaliação. Em 2012 foram inscritos 962 trabalhos.

O Comitê Científico, cujos representantes são nomeados a cada dois anos, é responsável pelas sínteses das duas fases de avaliação (dos GTs e dos pareceristas ad hoc), definindo os trabalhos aprovados para a RA e os excedentes. “O trabalho do comitê é fundamental para qualificar a reunião e os trabalhos. É essencial também essa discussão em grupo, sobre critérios, já que a Educação é uma área muito complexa, com várias interfaces. De um modo geral, colabora para uma definição e um delineamento do que é um trabalho científico no campo da Educação”, analisa Rose Fátima de Souza, do GT 02 - História da Educação (subárea 1).

Antes de cada subárea se reunir, os representantes fizeram considerações e sugestões de alteração na dinâmica da avaliação e na escolha dos trabalhos. Esse ano, pela primeira vez, foi criada uma comissão para avaliar o processo de definição dos trabalhos para a RA. “A reunião de hoje foi muito positiva, com um espírito de grupo propenso para a avaliação. É um processo de aprimoramento contínuo, a cada ano”, considerou Antonio Zuin (UFSCar), coordenador do comitê científico.

Cada GT possui um limite de 15 trabalhos para apresentação na Reunião Anual, num total de 360 entre todos os GTs (com alguma variação em decorrência de trabalhos encomendados). Para Aida Monteiro (UFPE), do GT-04 - Didática, “a Anped tem um processo de avaliação que procura acabar com as subjetividades. Existe um cuidado e um respeito por quem submete os trabalhos, buscando o máximo de objetividade e qualidade”.

Segundo Cleonara Maria Schwartz, do GT-10 (Alfabetização, Leitura e Escrita), “a intenção não é desqualificar os trabalhos submetidos, mas sim listar aqueles que têm peso, o que incide numa oxigenação das discussões feitas nas duas fases de avaliação. Os trabalhos apresentados permitem visualizar temáticas que estão despontando em cada área e subárea de conhecimento”. Antônio Álvaro Soares também acredita que os trabalhos da RA trazem importantes modificações a médio e longo prazos, influenciando em todos os âmbitos da Educação. “São trabalhos que reverberam em várias instâncias, como nas políticas públicas, na relação professor/aluno, na construção dos currículos, nas questões didáticas, nos movimentos sociais”, pontua o presidente do comitê.

Anped e agenda da Educação

No segundo dia do encontro, Dalila Andrade Oliveira (UFMG), presidente da Anped, abordou questões recentes da atuação da associação como: os estudos realizados para apresentar à Assembleia extraordinária sugestões de alteração do estatuto da Anped, o reconhecimento e a realização das Anpedinhas, a recente criação do Fórum dos Editores de Periódicos da Área da Educação (Fepae), o significativo aumento do número de sócios, o lançamento do novo Boletim da Anped e detalhes da 35ª RA, como a homenagem a Paulo Freire.

A presidente também destacou a nomeação de colegas anpedianos, entre eles o professor Luiz Dourado (UFG), para o Conselho Nacional de Educação, “o que mostra a força da Anped na indicação de nomes para o CNE”. Outra importante conquista, “com papel decisivo da Associação”, segundo Dalila Andrade Oliveira, foi a aprovação na comissão especial da Câmara dos Deputados dos 10% do PIB para Educação (leia a matéria aqui). 

Leia Também