SBPC - Novos cortes de bolsas de pós-graduação preocupam

fonte: Jornal da Ciência / 

Amazônia necessita mais investimento, alerta pesquisador do Inpa; SBPC diz que vai lutar para reverter o contingenciamento orçamentário da Capes

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), agência vinculada ao Ministério da Educação (MEC), anunciou nessa terça-feira (4/6) a ampliação do bloqueio de bolsas de pós-graduação e mudanças no Programa Institucional de Internacionalização (PrInt). Às 3.474 bolsas já congeladas em maio se somam outras 2.724, sendo 2.331 de mestrado, 335 de doutorado e 58 de pós-doutorado, elevando o total bloqueado este ano para 6.198 bolsas.

Já o PrInt teve seu prazo de execução estendido de quatro para cinco anos, o que, embora não tenha alterado o total de recursos destinados ao programa, na prática representa também um contingenciamento a curto prazo. Das 5.913 bolsas inicialmente previstas para este ano, 1.774 serão transferidas para 2023, último ano de execução do programa. De acordo com informe da Capes, até o momento, as instituições de ensino superior integrantes do PrInt indicaram 113 beneficiários que cumpriam todos os requisitos do regulamento.

A Capes aplicou um corte de 70% em todos os cursos com duas avaliações nota 3 consecutivas (Avaliação Trienal 2013 e Avaliação Quadrienal 2017) e nos avaliados com nota 4 na Avaliação Trienal 2013 e que caíram para nota 3 na Avaliação Quadrienal de 2017. O percentual foi reduzido pela metade (35%) para os cursos de mesma classificação oferecidos por instituições localizadas na Amazônia Legal (estados da Região Norte, Mato Grosso e Maranhão).

Segundo o comunicado da Capes, o critério geral estabelecido visa “alinhar a concessão de bolsas no País à avaliação periódica da Capes, preservando os cursos mais bem avaliados nos últimos 10 anos”. E o corte menor para a Amazônia teria como objetivo “resguardar a política de redução de assimetrias regionais”.

Em entrevista coletiva ontem na sede do órgão em Brasília, o presidente da Capes, Anderson Correia, reiterou que nada muda para os atuais bolsistas e explicou que o objetivo é cumprir com o contingenciamento orçamentário determinado pelo MEC.  A medida representa um corte de R$ 4 milhões este ano e R$ 35 milhões em 2020; somados aos cortes já efetuados, a economia com bolsas de pós graduação atingirá cerca de R$ 75 milhões.

A diretora de Programas e Bolsas no País da Capes , Zena Martins, reforçou:  “Contingenciamento foi a principal razão, mas gostaria de deixar muito claro que o investimento da  Capes em programas nota três é de R$ 240 milhões”. Correia afirmou ainda esperar que esse seja o último bloqueio. “Num cenário positivo, esperamos que seja a última ação nesse sentido”.

A segunda rodada de cortes de bolsas de pós-graduação preocupou a comunidade científica e acadêmica. “A SBPC está extremamente preocupada com esses cortes e vai fazer todos os esforços junto à Capes, ao governo e ao Congresso Nacional para tentar reverter esse quadro e restituir os recursos”, afirmou o presidente Ildeu Moreira. Para ele, a diminuição do número de bolsas é “muito grave” em um momento em que o País precisa valorizar a Ciência e a Tecnologia, tendo em vista que as bolsas da Capes são um elemento essencial para o desenvolvimento de pesquisas científicas no Brasil. Moreira acrescentou que a SBPC está também preocupada com a manutenção do Portal de Periódicos da Capes, que é um instrumento fundamental para a ciência brasileira.

O presidente do Fórum Nacional de Pró-Reitores de Pesquisa e Pós Graduação (Foprop), Marcio de Castro Silva Filho, afirmou que a decisão é “prejudicial”, mas, pelo menos, houve a “sensibilidade” para a preservação de parte dos cursos oferecidos na Amazônia Legal. “Um corte linear teria um impacto muito grande na região Norte”, disse Silva Filho. Segundo ele,  quase a totalidade dos cursos na região Norte são classificados pela Capes com nota 3 e 4 por terem sido criados mais recentemente e ainda não conseguiram chegar ao patamar de notas 6 e 7 que ficaram fora dos cortes.

Para o pesquisador Adalberto Val, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), o fato de ter sido um corte menor não melhora muito situação “dramática” por que passa a pesquisa científica na região Amazônica. “Precisamos fazer a integração nacional, e para isso precisaríamos fazer um investimento diferenciado na Região”. “Cortar menos não muda o status quo da situação: é ruim de qualquer forma”, afirmou.

Segundo Val, as instituições de ensino e pesquisa da região já sofrem há anos com falta de pessoal qualificado. “Os cortes desestimulam os professores e dificultam a já complicada fixação de pessoas na região”, avalia o pesquisador do Inpa. “Uma boa parte dos institutos de pesquisa não tem contratação nos últimos dez anos e, na realidade, metade dos pesquisadores já tem tempo de aposentadoria e pode ir embora para casa”. Sem pesquisadores, o Brasil vai perdendo a capacidade de explorar a biodiversidade em seu favor, abrindo um vácuo para os “concorrentes”, como a Colômbia, que está ampliando a pesquisa em sua parte da floresta, conclui Val.

Janes Rocha – Jornal da Ciência

Leia Também

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Ética na Pesquisa

Posicionamentos da ANPEd

Educação

Posicionamentos da ANPEd

Educação